« Voltar

8 respostas a O harém de Filip Müller

  1. Esse pessoal do holoconto tem uma habilidade notável de lembrar-se de datas, nomes, lugares e etc mesmo que eles não coincidam com as anteriores. Bem Abraham é um notável destes que em uma entrevista ficou uma semana em Auchwitz e em outra oportunidade se corrigiu falando que ficou quatro ano e meio.

  2. Tales disse:

    Esse relato de que ele pulou dentro de uma câmara de gás para se suicidar e depois foi expulso por mulheres nuas na flor da idade(inconscientemente eles exploram a sexualidade nos seus poemas para prender a imaginação do leitor) mais parece querer criar um drama de sua resistência de que quis se matar más ganhou coragem ao se deparar com as mulheres prontas para morrer.

    Isso do escoamento de gordura das covas para recipientes é para lá de grotesca e puramente propagandístico, nas cremações o estado do corpo passa do sólido para o gasoso instantaneamente, nada pode ser escoado, gordura não é diamante ou ouro para resistir a temperaturas extremas, o tal sobrevivente parece ter faltado a aula de física. kkk

  3. Franco disse:

    Contaram a história que quiseram após a guerra, uma obra de ficção.

    “A Lista de Schindler” de fato é uma obra de ficção, quem disse isso? O diretor do filme, o judeu Spielberg. Muitos acham que a obra é um documentário por ser apresentada, sorrateiramente, em preto e branco.

    Campos de extermínio são os campos do criminoso de guerra Eisenhower, comandante supremo das tropas aliadas. Me ajudem se eu estiver exagerando, mas estima-se que 2 milhões de soldados alemães prisioneiros morreram sob seus cuidados, de fome, sede e frio.

    Segue abaixo, esse sim, um documentário sobre o assunto: HELLSTORM.
    Alguns amigos já devem conhecer.

    https://www.bitchute.com/video/p06YZalRB7eq/

    • Tales disse:

      Segundo os pesquisadores deles foram menos de 3 mil prisioneiros alemães mortos nesses campos de Eisenhower, engraçado que sempre atenuam os crimes deles, como no caso de Dresden onde fontes afirmam que 250 mil pessoas foram incineradas más os pesquisadores deles falam em torno de 25 mil, mais engraçado que de tempo em tempo vem diminuindo o numero de mortos nos campos alemães, Auschwitz de 4 milhões para 1.5 milhões, Madjanek 1.5 milhões para 78 mil.

    • Franco disse:

      É verdade Tales, o número de mortos nos campos de concentração alemães tem diminuído, fato reconhecido oficialmente pelo governo da Polônia. Mas na matemática sionista, e até a matematíca eles conseguem corromper, a soma total continua sendo 6 milhões, o número cabalístico.

  4. Antinom disse:

    O traço mais marcante da psiquê sionista é que tais práticas macabras de matança e cremação, incluindo-se a origem da palavra holocausto, advém de práticas antigas deles mesmos. Como o mundo nunca ficou sabendo disso, passaram essa pecha para os alemães e assim acabou “colando” de forma permanente na mente coletiva. E para quem teve a chance de ver vídeos amadores, feitos por pessoas com câmeras escondidas em Auschwitz, vê-se que seria impossível e imponderável pensar que ali, uma cidadela industrial, frequentada por milhares de funcionários, técnicos, engenheiros, médicos, enfermeiras, freiras e até prostitutas (dizem), se fazer uma “limpeza étnica” dessa magnitude sem que tantas pessoas visse. O local para se fazer isso foi inventado pelos zio-soviéticos, que criaram tal know how, utilizando-se de pelotões de fuzilamento e tratores p/ cavar valões no meio da floresta, longe das vistas de qualquer indivíduo, tal como fizeram com o exército polonês.

    • Tales disse:

      Eles só esqueceram de devastar as arvores ao redor para justificar de onde veio o combustível para as fogueiras.

  5. Franco disse:

    Livro completo sobre os campos de extermínio de Eisenhower:

    http://www.abundanthope.net/artman2/uploads/1/Other_Losses_4.pdf

    “Other Losses – The Shocking Truth Behind the Mass Deaths of Disarmed German Soldiers and Civilians Under General Eisenhower’s Command”, autor James Bacque.